JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Álcool é sim uma droga e também pode matar!

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
bebida-alcoolica-ressaca-1549046673928_v2_900x506

O termo alcoolismo pode ter diferentes significados de acordo com a forma como é abordado. Afinal, o que é alcoolismo? O que define um alcoólatra?

Se na esfera social é normal considerar alguém que bebe excessivamente um alcoólatra (termo usado muitas vezes de forma pejorativa), no contexto clínico o conceito refere-se à dependência de álcool ligada a uma síndrome causada pelo vício. Na presença de abuso de álcool, a dependência é principalmente psicológica: o indivíduo reconhece a ingestão de álcool como uma maneira de se sentir eufórico, tranquilo e aliviado dos problemas diários.

O alcoolismo é, portanto, associado a problemas sociais na vida de uma pessoa. Numa fase posterior, o vício físico também assume a necessidade de tomar álcool em quantidades gradualmente crescentes para lidar com os sintomas físicos de abstinência e tolerância. Nessa fase, se libertar do alcoolismo é cada vez mais difícil e o vício atinge um nível que afeta fortemente a saúde física e mental do indivíduo, comprometendo seus relacionamentos interpessoais e atividades sociais em vários graus.

Além das dificuldades citadas acima, o reconhecimento dos sintomas do alcoolismo é muito importante não apenas para a saúde, mas também e, sobretudo, para o alcoólatra e sua família. Reconhecer os sintomas do alcoolismo nos estágios iniciais pode ajudar a resolver o problema na direção certa, preservando a própria saúde e a de entes queridos.

Afinal, todos sofrem com o vício do alcoolismo, e não apenas o alcoólatra!

Em um estágio inicial, mais do que os sinais e sintomas clínicos do alcoolismo, as causas do problema devem ser procuradas, como a perda de habilidades de comunicação nos relacionamentos interpessoais, a perda de interesse em hobbies e paixões. É muito comum que um alcoólatra perca o interesse com o passar do tempo em atividades que antes ele exercia com prazer.

Além disso, a raiva frequente, atrasos e ausências no trabalho, o risco de dirigir um automóvel, o aumento dos conflitos familiares, a dificuldade de “desapegar-se da garrafa”, e a forte necessidade ou busca compulsiva por álcool e isolamento social se agravam de forma rápida.

Para piorar a situação, há ainda a presença de inúmeros clichês relacionados aos alcoólatras.  E o que é pior: a maioria das pessoas acredita que o álcool funciona de uma forma, quando na verdade funciona de outra:

  • O álcool é uma substância estimulante (na realidade, o álcool estimula e deprime o sistema nervoso central ao mesmo tempo)
  • O álcool ajuda as pessoas a dormir mais profundamente (na realidade, o álcool afeta negativamente a qualidade do sono)
  • A intoxicação por álcool é maior ao misturar várias bebidas alcoólicas diferentes (na realidade, o que determina a intoxicação é a quantidade real de álcool no sangue)
  • Pessoas com grande força de vontade não correm o risco de desenvolver alcoolismo (a intoxicação por álcool reduz drasticamente a força de vontade)
  • Em um alcoólatra, o dano no fígado ocorre antes do dano cerebral (na realidade, é possível que o dano cerebral antecipe o dano hepático)
  • A retirada de heroína é mais perigosa que a retirada de álcool (na verdade, a retirada de álcool é potencialmente mais letal do que a retirada de opioides)
Causas do alcoolismo

As principais causas do alcoolismo estão relacionadas a fatores genéticos, ambientais e psicológicos.  Um dos aspectos pouco conhecidos relacionados à dependência do álcool é a familiaridade: numerosos casos destacam uma predisposição genética para desenvolver o alcoolismo.

Estudos realizados em filhos de alcoólatras mostraram que as chances de desenvolver um vício nesses indivíduos são 30% maiores do que na população em geral.  Estudos mais detalhados consideraram filhos de alcoólatras que foram adotados por outras famílias.  Mesmo essas pessoas, que não tiveram contato direto com os pais alcoólatras durante o crescimento, apresentaram maiores chances de desenvolver alcoolismo.

Existe, portanto, uma predisposição genética para o desenvolvimento de um vício em álcool.

Estudos posteriores também mostraram que o abuso de álcool em idade precoce  pode facilitar a expressão de genes que aumentam o risco de desenvolver alcoolismo. Além de causas genéticas, existem causas ambientais. Nesse sentido, contextos em que existem pressões sociais que incentivam o uso de álcool, podem levar mais facilmente as pessoas em risco ao abuso de álcool e desenvolver um vício ao longo do tempo.

Mas não é só isso. Viver em famílias problemáticas, onde um ou ambos os pais são alcoólatras, facilita o desenvolvimento de comportamentos de abuso em crianças e adolescentes.  Além disso, foi observado que o abuso de álcool na adolescência poderia facilitar o desenvolvimento de um vício devido à degeneração ou desenvolvimento incorreto do córtex cerebral.

Essa degeneração levaria ao desenvolvimento de comportamentos impulsivos, facilitando a conduta do abuso. Existem também causas psicológicas relacionadas ao alcoolismo.  Afinal, o álcool, por suas propriedades relaxantes, é frequentemente usado como uma terapia (inadequada) por quem sofre de estresse, ansiedade, depressão ou condições psiquiátricas ainda mais graves, como esquizofrenia e transtorno bipolar.

Ser traumatizado na infância também é um fator que facilita o desenvolvimento de um vício em álcool, bem como o desenvolvimento de um distúrbio de personalidade.  Nestes casos, portanto, o álcool pode ser procurado como uma terapia para reduzir sintomas psicológicos negativos, dando origem ao alcoolismo.

Sintomas de alcoolismo

No ponto de vista da medicina, há uma lista de vários sintomas necessários para diagnosticar um transtorno por uso de álcool.  Em geral, o alcoolismo é definido como um conjunto de comportamentos problemáticos relacionados ao álcool, que levam ao desconforto grave e comprometimento da esfera relacional, social e pessoal do indivíduo.

Para diagnosticar o alcoolismo, o indivíduo deve sofrer de pelo menos 2 dos seguintes sintomas por um período de pelo menos 12 meses:

  • Ingestão de álcool em quantidades altas e por períodos longos;
  • Desejo constante de consumir álcool ou falhas na tentativa de reduzir a ingestão de álcool;
  • A maior parte do tempo é gasta bebendo;
  • O sujeito sente uma necessidade urgente e incontrolável de beber;
  • O uso de álcool leva a falhas no cumprimento das responsabilidades em casa, no trabalho ou na escola;
  • O alcoólatra mantém o uso de álcool apesar de causar problemas sociais recorrentes;
  • Atividades importantes são abandonadas para deixar espaço para o uso de álcool;
  • O uso contínuo de álcool, mesmo após o surgimento de problemas psicológicos ou sociais continua;
  • Desenvolvimento de tolerância ao álcool manifestado com um aumento significativo na quantidade de álcool necessária para satisfazer a necessidade alcoólica;
  • Presença de sintomas ou comportamentos de abstinência;
Relacionados:  O que fazer em caso de overdose? Procure uma clínica para dependentes químicos!

Como mencionado anteriormente, a presença de pelo menos dois dos seguintes sintomas, durante 12 meses, configura um diagnóstico de transtorno por uso de álcool.

Efeitos do alcoolismo: ele é mais devastador do que parece

Os efeitos do alcoolismo são graves e são encontrados em diferentes níveis. Podem ser danos físicos que afetam principalmente o fígado e o cérebro e danos psicológicos e ligados aos relacionamentos. Isso sem contar, é claro, nos crescentes números de óbitos e acidentes de trânsito causados por conta do alcoolismo.

Se beber, jamais dirija. Álcool e direção matam! Os alcoólatras são mais propensos a desenvolver lesões, sofrer acidentes, viver relacionamentos conflitantes na família e manifestar mais facilmente casos de violência doméstica. Além disso, a expectativa média de vida de alcoólatras é 12 anos menor que a população geral média.

Portanto, não se engane: cirrose não é o único problema causado pelo alcoolismo. O dano físico, além do dano hepático mencionado, que pode levar à cirrose ou câncer de fígado, leva a um risco aumentado de desenvolver outras patologias, incluindo diabetes, derrame e distúrbios cardiovasculares. Problemas internos como gastrite, esofagite, pancreatite e deficiências vitamínicas também são frequentes.

O abuso de álcool também está associado a inúmeros comportamentos antissociais. Cerca de 40 a 50% dos assassinatos estão associados ao abuso de álcool no Brasil. Além disso, de todos os casos de agressão contra mulheres (o que inclui abusos sexuais, estupro e violência doméstica), cerca de 50% estão associados ao consumo de álcool.

Efeitos do álcool no cérebro: alguns podem ser irreversíveis

Os efeitos do álcool no cérebro são múltiplos. Em doses baixas, ele ativa áreas de prazer responsáveis pela liberação de endorfinas. Com doses crescentes, o álcool exerce um efeito depressivo do Sistema Nervoso Central. Ou seja, ele inibe a função de um dos neurotransmissores excitatórios, o glutamato, diminuindo a atividade cerebral.

Os principais efeitos dessa inibição são déficits de aprendizado e diminuição dos níveis de autocontrole. É por esses efeitos que as pessoas intoxicadas com álcool geralmente não conseguem avaliar bem a sua capacidade de dirigir com segurança.

Aí fica explicado. Não é nenhum mistério que numerosos acidentes de trânsito estejam relacionados ao abuso de álcool. O fato de um alcoólatra não conseguir manter o autocontrole faz com que ele sempre ache que está tudo bem e que ele dá conta de dirigir. Por isso, o álcool é uma das piores drogas: a pessoa realmente acredita que não está mal!

Alcoolismo e danos físicos

O abuso crônico de álcool ao longo do tempo pode levar, como já mencionado, a vários danos físicos. Isso porque quase 95% do álcool é metabolizado no fígado (o resto é eliminado do corpo através da saliva, urina e sudorese). Por isso, o abuso crônico pode levar a um super trabalho para o fígado, que com o tempo desenvolve danos irreversíveis.

A cirrose hepática é uma dessas consequências. Uma grande porcentagem de mortes relacionadas ao abuso de álcool está ligada ao desenvolvimento desse grave distúrbio hepático. Complicações relacionadas ao abuso de álcool também estão relacionadas à desnutrição. Além disso, o álcool pode levar a estados de desnutrição profunda, e a desnutrição tem efeitos negativos no corpo e na mente do indivíduo.

Alcoolismo e danos psicológicos

Além do dano físico associado ao abuso crônico de álcool, o dano psicológico também pode ser grave. Em geral, o abuso de álcool leva a uma perda progressiva de julgamento e a uma deterioração progressiva da personalidade. Os alcoólatras tendem a fugir gradualmente das responsabilidades, a não tratar mais a própria pessoa, entrando em um círculo de autodestruição. Os danos cerebrais aparecem a médio e longo prazo, manifestando-se a danos nos processos cerebrais relacionados à atenção e concentração, danos à memória de curto prazo e problemas relacionados à capacidade de resolução de problemas.

Precisando de ajuda? Ligue agora ou utilize nosso formulário de contato. Teremos o maior prazer em ajudar!

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.