JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Álcool: o ponto cego da saúde global

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
jovens-bebendo-cerveja

As doenças não transmissíveis representam mais de 72% das mortes globais anuais e agora estão recebendo, com razão, maior atenção na agenda global de saúde. No entanto, um dos principais fatores de risco para doenças não transmissíveis continua sendo negligenciado: o álcool. Embora a indústria do álcool use sofisticadas campanhas de relações públicas para manter essa quase invisibilidade na agenda da saúde, a comunidade internacional também é culpada. Os formuladores de políticas de saúde não utilizam as evidências sobre o álcool, não identificam e não enfrentam interferências da indústria do álcool ou priorizam recursos, políticas e programas para o controle do álcool.

Segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), o álcool, como o amianto e o tabaco, é um carcinógeno do grupo 1 e pode causar múltiplas formas de câncer, como o câncer de mama; os riscos à saúde estão associados ao consumo de bebidas em qualquer dose. O Relatório de Status Global sobre Álcool e Saúde da OMS de 2018 estima que, anualmente, o álcool é responsável por mais de 25% das mortes mundiais em pessoas de 20 a 39 anos e mata mais de 3 milhões de pessoas, o equivalente à população de Berlim ou Abuja. Em 2016, a Public Health England constatou que o álcool é a principal causa de morte no Reino Unido em pessoas de 15 a 49 anos e é um fator para mais de 200 condições de saúde [1].

Além disso, estudos no Reino Unido, União Europeia e Austrália descobriram que o álcool é, no geral, mais prejudicial do que todas as outras drogas, tanto para seus consumidores como para terceiros [2, 3, 4]. O consumo mundial de álcool também está se expandindo rapidamente e deve aumentar em mais de 10% até 2030. Prevê-se que esse aumento seja impulsionado pela expansão do mercado em regiões-chave, incluindo a região do Sudeste Asiático (46,8% de crescimento do mercado até 2030) e região do Pacífico Ocidental (33,7% de crescimento do mercado até 2030) [5]. Assim, os formuladores de políticas globais incluíram o controle de álcool nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mas muitas vezes permanecem inconscientes da interferência da indústria deste setor.

Aprendendo com a indústria do tabaco, a indústria do álcool divulgou dúvidas e confusões sobre os efeitos do álcool na saúde, financiando pesquisas e participando de amplas campanhas de relações públicas, incluindo o uso das mídias sociais, para enganar o público sobre os vínculos entre álcool e câncer [6]. No entanto, a indústria do álcool evitou amplamente o estigma associado à indústria do tabaco [7]. Pelo contrário, a indústria do álcool goza de relativa discrição em seus esforços para distorcer a formulação de políticas públicas.

Embora a Smoke-Free World (Fundação para um Mundo Sem Fumo) da Philip Morris International tenha sido amplamente condenada pela comunidade internacional no campo da saúde, a Fundação criada pela maior cervejaria do mundo, a Anheuser-Busch InBev, que, segundo o site da organização, foi “criada para reduzir o beber nocivo globalmente ”, recebe pouco ou nenhum escrutínio.

De fato, a fundação atrai altos funcionários da ONU e ex-funcionários do governo dos EUA para o seu conselho e financia e se envolve em processos de formulação de políticas. Apesar dos óbvios conflitos de interesse, a Fundação Anheuser-Busch InBev patrocina um fórum do US National Academies of Science (as Academias Nacionais de Ciências dos EUA) sobre prevenção à violência global [8]. Outro exemplo é o UNLEASH, criado pela Fundação Carlsberg, que é um “laboratório de inovação global” para jovens inovadores criarem redes para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, em parceria com o PNUD, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a Universidade da ONU, a ONU Habitat e muitos outros.

Esse engajamento reflete uma estratégia deliberada em todo o setor para moldar a formulação de políticas. A indústria do álcool deturpa evidências dos efeitos adversos à saúde causados pelo álcool e procura desenvolver parcerias para retratar a indústria como um parceiro responsável, construindo argumentos que se concentram nos consumidores de álcool e não no fornecimento de álcool em si [6,9].

Por exemplo, houve esforço de parceria para apoiar um estudo do National Institutes of Health (NIH) dos EUA sobre os efeitos do álcool na saúde, mas com uma metodologia enviesada; esse viés foi descoberto e a parceria foi cancelada em 2018. O fundo global foi suspenso, mas ainda não encerrou a preocupante parceria da organização com a Heineken [10]. Em 2019, a OMS emitiu orientações para a equipe que proíbem parcerias, recebimento de apoio ou colaboração com a indústria do álcool [11].

Além dessas diretrizes para sua equipe, a nova iniciativa SAFER da OMS para os formuladores de políticas nacionais tem como princípio proteger os países da influência da indústria; no entanto, como esse princípio será operacionalizado ainda não está claro. De maneira geral, a iniciativa SAFER não recebeu a prioridade programática ou os recursos necessários. Por exemplo, tributar o álcool é uma das estratégias SAFER. A OMS recomendou taxas de imposto para tabaco (pelo menos 70% do preço final) e bebidas adoçadas com açúcar (pelo menos 20%), mas não para o álcool.

No entanto, essa negligência não se limita à OMS; muitas instituições internacionais e agências da ONU e estados membros envolvidos na saúde global continuam negligenciando o controle do álcool.

Instituições de saúde global também ignoram persistentemente o controle do álcool. A Bloomberg Philanthropies, líder mundial no controle do tabaco, convocou uma força-tarefa de alto nível com ex-chefes de estado e ministros de finanças para considerar políticas fiscais para a saúde. A organização filantrópica reconheceu que os impostos sobre o álcool eram subutilizados e, se implementados, poderiam salvar indiretamente até 22 milhões de vidas nos próximos 50 anos [12]. No entanto, a Bloomberg Philanthropies não dedicou recursos a programas de controle de álcool.

O Wellcome Trust, que anunciou um grande compromisso de £ 200 milhões para transformar a pesquisa e o tratamento para a saúde mental, também investiu £ 171 milhões na Anheuser-Busch InBev a partir de 2017 [13]. Porém, nenhuma instituição filantrópica de financiamento em saúde global alocou recursos substanciais ou priorizou investimentos no controle do álcool, apesar de esse problema negligenciado precisar de liderança.

A comunidade internacional continua a desconsiderar o controle do álcool como uma prioridade política que pode salvar vidas. A atenção política ao álcool não é nada proporcional à sua ameaça à saúde; o álcool mata mais pessoas anualmente do que HIV, tuberculose e malária, juntos. O controle do álcool é uma necessidade urgente dos fortes defensores do sistema das Nações Unidas concedidos ao controle do tabaco. Acadêmicos e profissionais de saúde pediram uma convenção-quadro sobre o controle de álcool; no entanto, antes que essa orientação possa ser feita, a comunidade internacional que atua no campo da saúde precisa reconhecer seu ponto cego.


Referências

  1. Public Health England. PHE publishes alcohol evidence review. Dec 2, 2016. https://www.gov.uk/government/news/phe-publishes-alcohol-evidencereview (accessed Sept 26, 2019).
  2. Nutt DJ, King LA, Phillips LD. Drug harms in the UK: a multicriteria decision analysis. Lancet 2010; 376: 1558–65.
  3. Bonomo Y, Norman A, Biondo S, et al. The Australian drug harms ranking study. J Psychopharmacol 2019; 33: 759–68.
  4. van Amsterdam J, Nutt D, Phillips L, van der Brink W. European rating of drug harms. J Pscychopharmacol 2015; 29: 655–60.
  5. Manthey J, Shield KD, Rylett M, Hasan OSM, Probst C, Rehm J. Global alcohol exposure between 1990 and 2017 and forecasts until 2030: a modelling study. Lancet 2019; 393: 2493–502.
  6. Petticrew M, Maani Hessari N, Knai C, Weiderpass E. How alcohol industry organisations mislead the public about alcohol and cancer. Drug Alcohol Rev 2018; 37: 293–303.
  7. Hawkins B, Holden C, Eckhardt J, Lee K. Reassessing policy paradigms: a comparison of the global tobacco and alcohol industries. Glob Public Health 2018; 13: 1–19.
  8. The National Academies of Sciences Engineering Medicine. Forum sponsors. Board on global health. Forum on global violence prevention. http://www.nationalacademies.org/hmd/~/media/Files/Activity%20Files/ Global/ViolenceForum/Sponsorship.pdf (accessed Sept 24, 2019).
  9. Casswell S. Vested interests in addiction research and policy. Why do we not see the corporate interests of the alcohol industry as clearly as we see those of the tobacco industry? Addiction 2013; 108: 680–85.
  10. Marten R, Hawkins B. Stop the toasts: the Global Fund’s disturbing new partnership. Lancet 2018; 391: 735–36.
  11. Torjesen I. Exclusive: partnering with alcohol industry on public health is not okay, WHO says. BMJ 2019; 365: l1666.
  12. The Task Force on Fiscal Policy for Health. Health taxes to save lives: employing effective excise taxes on tobacco, alcohol, and sugary beverages. April, 2019. https://www.bbhub.io/dotorg/sites/2/2019/04/Health-Taxesto-Save-Lives.pdf (accessed Sept 25, 2019).
  13. Wellcome Trust. Annual report and financial statements 2017. 2017. https://wellcome.ac.uk/sites/default/files/wellcome-trust-annual-reportand-financial-statements-2017.pdf (accessed Oct 2, 2019).

Tradução de texto de Robert Marten, Gianna Gayle Herrera Amul, Sally Casswell

Publicado originalmente em acesso aberto em The Lancet Global Health (8:3, PE329-E330, 2020).

Fontes: PREVINA;  The Lancet Global Health

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.