JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Dependência química é a perda da liberdade de fazer escolhas

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
homem-triste-segurando-a-cabeca-com-a-mao_1150-6345-1200x799

A doença da adicção pode ser definida como a “perda da liberdade de escolhas”(1). Mas não aquelas cujo direito de exercê-las é garantido pela constituição federal. Tal perda está relacionada ao surgimento de fenômenos que se manifestam na mente humana para além da vontade da pessoa – tais como as alucinações, os delírios, as oscilações patológicas de humor e as atitudes compulsivas, impossibilitando que a vida mental do sujeito acometido por tais alterações possa exercer e se responsabilizar por seus atos com autonomia e liberdade.

A doença da adicção é o colapso da comunicação lógica, aquela, em que a possibilidade de estar errado, a necessidade de reformular, a mea culpa estão sempre presentes. Ao contrário, o funcionamento da doença mental não trabalha com hipóteses, tampouco investiga a realidade a partir de dúvidas ou questionamentos. Ele parte de comandos irracionais, os quais, parafraseando um poemamais-que-centenário(2), que permaneceu absolutamente atual, encontram-se enraizados na “matéria bruta” da “psicogenética”, a qual, em “desintegrações maravilhosas”, a partir da “alta luta do feixe de moléculas nervosas”, “delibera, e depois, quer e executa”, independentemente do contexto que o rodeia. Desse modo, faz parte da doença mental a presença de uma certeza de essência infalível – com graus variados de predomínio sobre a psique –, que suprime não só a comunicação, mas igualmente a subjetividade e a criatividade que tornavam possível a interlocução habitualmente esperada entre um indivíduo e o seu entorno sociocultural(3).

Retomando a ideia da loucura como a “perda da liberdade de escolhas”, é possível notar que o dependente químico não completamente é “louco”, tampouco completamente são: um ‘normal-quase-psicótico’ ou um ‘psicótico-quasenormal’, alguém com um pé em cada barco. Boa parte entende, ou é capaz de entender, a natureza da doença que o aflige, mas, pelo menos de início, apenas uma minoria é capaz de se responsabilizar pelos estragos que ela traz.

Nesse contexto, tomar a afirmativa “não quero parar de usar drogas” como uma verdade absoluta ou um exercício de direito inconteste, capaz de isentá-lo de qualquer tipo de abordagem terapêutica, pode ser tão negligente e danoso para o usuário de drogas – por desconsiderar a provável presença de um transtorno mental –, quanto seria definir aprioristicamente que todo o usuário é um doente passível de internação compulsória.

Mais uma vez, “anormalidade” não significa obrigatoriamente “patológico” – “o oposto do normal não é o doentio, é somente o anormal; o anormal pode sinalizar a doença, patologia, quando permite conceber um distúrbio funcional correspondente”(4).

Eis aí um campo de delicadeza altamente complexa, no qual estão enraizadas várias estruturas de conhecimento, destinadas ao entendimento e à compreensão do consumo de substâncias psicoativas pela humanidade, que de alguma forma, ao invés de competirem por protagonismo, precisam, juntas, compor o jardim da individualidade humana, considerando suas limitações e suas potencialidades, ora apostando, ora coibindo o florescimento de tendências, tendo sempre como parâmetro – e adubo – a dialética entre a pessoa funcionalmente comprometida e o seu entorno que precisa respeitá-la e acolhe-la, sem no entanto sofrer as consequências do seu adoecimento.

Nesse sentido, muitas vezes, as estratégias de tratamentos e os códigos de conduta contemporâneos relacionados ao uso de substâncias psicoativas – seja para o usuário de baixo risco, seja para o que apresenta algum tipo de problema relacionado ao consumo dessas –, buscam oferecer soluções capazes de enfraquecer atitudes involuntárias que comprometem a credibilidade dos seus atos de vontade, ao mesmo tempo em que valorizam as ações voluntárias capazes filtrar, moldar e amadurecer as primeiras.

No final, o que mais importa é que o dependente possa se assenhorar e assumir paulatinamente o seu processo de recuperação. E o instrumento para isso, agora sim, só pode ser obtido por intermédio do exercício da razão – e do patrimônio psíquico que emana deste –, ainda que no começo seja necessário reconhecer que ele não é páreo para o querer irracional do desejo de consumir.

Nesse sentido, Ulisses foi genial: se amarrou ao mastro para não deixar que o “querer (pseudo) racional” de ouvir as sereias atirasse o seu barco contra as rochas – mas não tirou a consciência da jogada, pois a reflexão final – “ainda bem que me amarrei” – somente ela seria capaz de fazer. Já Romeu e Julieta, assim como Tristão e Isolda, foram ingênuos: preferiram sedar, inebriar o funcionamento racional, ficando vedados da possibilidade de tomar decisões perante às adversidades da vida ou à necessidade de negociar com a realidade. Apostaram, apenas na ideia e no desejo de chegarem sãos e salvos no final. Só que o oposto aconteceu e o desejo sincero de superação se transformou em tragédia. No campo da dependência química, jornadas que não forem pautadas pelo senso de responsabilidade e de dever nunca terão final feliz.


(1) Sonenreich C, Bassitt W. O conceito de psicopatologia. São Paulo: Monole; 1979.
(2)Anjos A. Obra completa. São Paulo: Nova Aguilar; 1994.
(3)Fiks JP. Delírio – um novo conceito projetado em cinemas. São Paulo: Via Lettera Editora e Livraria; 2002.
(4)Sonenreich C, Kerr-Correa F. Escolhas do psiquiatra: saber e carisma. São Paulo: Manole; 1985.


Por Marcelo Ribeiro, Psiquiatra, Membro do Programa de Pós-graduação do Departamento de Psiquiatra da UNIFESP e presidente do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas de São Paulo (CONED). Artigo publicado anteriormente na edição n° 241 da RevistAE, em Outubro/2019.

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.