JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
Parque das Nações, Chácara 73 Rua 11 – Padre Lúcio, Águas Lindas/GO

Maconha não vicia

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
1 g5q8wElg01F9zfIE7h3CZQ

Vicia, sim, e pode prejudicar sua saúde tanto quanto o álcool ou a cocaína. Mas apenas 10% dos usuários de primeira tragada acabam dependentes.

Muita gente acredita que maconha é uma droga leve, incapaz de criar dependência. Ou que, no máximo, a dependência é psicológica – muito mais fácil, portanto, de ser revertida. Mentira! A maconha vicia, sim. E o dependente, fazendo uso sistemático dessa droga, pode detonar sua saúde tanto quanto o viciado em álcool ou cocaína. Os problemas mais comuns vão de comprometimento temporário da memória recente (leia mais na página 35) a câncer no aparelho respiratório, passando por bronquite e até crises psicóticas.

Pode ser que esse mito tenha origem no fato – já comprovado cientificamente – de que a maconha faz dependentes em número bem menor que o de outras drogas. De acordo com o psiquiatra Dartiu Xavier, coordenador do Programa de Atenção a Dependentes Químicos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), algo entre 6 e 10% dos usuários que experimentam a erva pela primeira vez acabam ficando viciados. Isso é menos que a metade do índice verificado no álcool e no tabaco. E menos que um décimo da taxa estimada para a heroína, que chega aos 90%.

Cintra IT - Tudo para sua empresa ou negócio viver bem na web.
Largar quando quiser

Para o psiquiatra da Unifesp, a dependência de maconha não está tão relacionada às propriedades psicoativas da erva e sua potencial capacidade de viciar, mas principalmente às características do consumidor. Segundo Xavier, o típico candidato a dependente é um sujeito jovem, quase sempre ansioso e eventualmente depressivo. “São pessoas que podem se viciar tanto em maconha quanto em sexo, jogo ou internet.”

Enquanto os usuários de maconha afirmam que conseguirão largar a droga quando bem entenderem, os especialistas concluem que se libertar do vício não é tão simples assim. O pediatra Anthony Wong, diretor do Centro de Assistência Toxicológica da USP, propõe aos dependentes que procuram seu consultório o seguinte desafio: 90 dias sem fumar um único baseado e exame de urina a cada 15 dias para comprovar que a erva não foi consumida. “Nunca houve um que apresentasse resultado negativo”, afirma Wong. “É claro que, depois de certa idade, alguns trocam a maconha por outros interesses. Mas alguns, infelizmente, substituem-na por drogas mais pesadas.”

Cintra IT - Seu site profissional responsivo! Ligue (61) 98416-7091

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.