JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

O drogado se ilude facilmente, até com a sua própria relação com a droga

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
como-ocorre-a-negacao-dependecia-quimica
Os jovens são os mais afetados por esse mal. Estamos diante de um drama humano de difícil solução

Pesquisas apontam que o Brasil está se tornando um dos maiores mercados consumidores de cocaína e seus derivados no mundo (Abdalla, R. Addict Behav. 2014). A destruição que as drogas causam nas famílias é uma história que já foi contada inúmeras vezes. Quase todos nós conhecemos algum jovem que usou entorpecente e acabou com os pés e as mãos amarrados. Eles são nossos vizinhos, colegas, amigos e familiares. Em pouco tempo, estão doentes, improdutivos ou participando de todas as formas de violência para sustentar o vício. São vidas desperdiçadas, definitivamente dolorosas.

Em junho próximo, o Supremo Tribunal Federal decidirá sobre o porte de drogas para uso pessoal. A descriminalização da posse abrirá o precedente para a legalização irrestrita. Só que esta questão ainda não foi seriamente discutida pela sociedade.

As pessoas que argumentam em favor da descriminalização afirmam que não podemos confundir “moral com direito”. Mas o direito não é uma abstração. Só extremistas pensam assim. O jurista Miguel Reale (Filosofia do Direito, 1984) ensina que não se pode alcançar um conceito de direito “livre de qualquer nota axiológica”.

Além disso, como a cultura vem se tornando mais liberalizada, afinal, cada nova geração é diferente da que a precedeu, há quem reivindique o direito ao consumo privado. Mas a realidade do mundo das drogas nada tem a ver com liberdade. As drogas atingem toda a sociedade. Nas grandes cidades, vemos pessoas vagueando pelas ruas como sonâmbulas, vivendo em habitações semidestruídas e praticando crimes para ter acesso a poucas gramas de droga. O fato mais evidente que os defensores do uso “recreativo” se negam a ver é o de que as pessoas não reagem identicamente à mesma dose de uma ou outra droga.

No caso da maconha, estamos longe de compreender como ela atua quimicamente no cérebro. A droga parece afetar, em primeiro lugar, a memória. O usuário tem dificuldade de concentração, de focar a atenção em tarefas continuadas. Também se observa certa incapacidade de pensar clara e logicamente. Além da vontade, a capacidade de julgamento também é enfraquecida. O drogado se ilude facilmente com as coisas e com a sua própria relação com a droga. Tudo isso demonstra que é perigoso brincar com o mecanismo químico do cérebro.

Desde a década de 1970, os defensores da liberação das drogas afirmam que ela vai acabar com os crimes violentos e com a corrupção. Liberar as drogas não levará ao desaparecimento do protagonismo dos narcotraficantes. No caso das drogas lícitas (cigarro e álcool), o mercado paralelo e da falsificação nunca arrefeceu. Por outro lado, convém lembrar que a adoção de leis mais rígidas no Japão, na Suécia e na Indonésia, por exemplo, resultaram em baixo consumo de drogas.

Os jovens são os mais afetados por esse mal. Estamos diante de um drama humano de difícil solução. Mas é preciso superar o egoísmo e pensar nos semelhantes. Não seria mais adequado criar projetos para os jovens? Por que não lutar para construir um futuro melhor para eles? O uso recreativo das drogas não é um exercício da liberdade. Ao contrário: é a mais completa abdicação da liberdade.

Fonte: GZH

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.