JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Quais as consequências do uso do crack?

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
Druggy sitting on the floor, withdrawal symptom

O crack é um derivado da cocaína de baixa qualidade e vendido por preços menores. Isso fez com que ele se popularizasse pelas ruas do Brasil. Hoje, veremos quais as consequências do uso do crack por um tempo muito grande.

Essa droga surgiu no início dos anos de 1980. Ela ficou conhecida simplesmente como pedra, pois é fabricada em blocos e comercializada pelos traficantes em pequenos fragmentos.

Para consumir, o viciado aquece esses cristais em cachimbos para fumá-los. Aliás, é justamente nesse momento que podem ser ouvidos pequenos estalidos, os quais acabaram dando nome à substância.

O efeito do crack é imediato e muito intenso. No entanto, ele dura pouquíssimo tempo. Isso faz com que o usuário fique ansioso para repetir a dose novamente. Assim, ele entra em um ciclo vicioso com extrema facilidade.

Mesmo sendo barato, o crack é considerado uma das drogas mais pesadas, fortes e viciantes. Seus resultados físicos e psicológicos podem ser percebidos tanto no momento do uso quanto no longo prazo.

Continue acompanhando os próximos itens e saiba mais sobre quais as consequências do uso do crack por um tempo muito grande. Conhecer mais a respeito dele é um dos primeiros passos para se livrar desse mal ou para salvar uma pessoa próxima que possa ter caído na armadilha das drogas.

Os efeitos do crack

Existem inúmeros efeitos atrelados ao consumo do crack. Os mais comuns são a paranoia, a depressão e a fissura por mais uma dose.

Além disso, as pessoas que se drogam com essa substância podem enfrentar dificuldades para dormir, alterações no ritmo cardíaco e até mesmo convulsões. Isso sem falar nas mudanças comportamentais, que transformam o usuário em um sujeito muito mais ansioso, hostil e agressivo.

Mesmo sabendo que o crack traz uma gama enorme de riscos sérios à saúde, o dependente químico não consegue se desvencilhar sozinho desse vício. Por isso, é muito importante que ele seja amparado e receba um suporte profissional para se reabilitar.

Para que você conheça melhor os sintomas e esteja ciente de quais as consequências do uso do crack por um tempo muito grande, preparamos duas listas. A primeira trará os efeitos do crack no curto prazo. Já a segunda tratá os resultados no longo prazo. Confira!

1. Efeitos no curto prazo
  • Assim que o crack é fumado, ele traz efeitos intensos e rápidos. Dentre os principais, estão:
  • Aumento da pressão sanguínea e dos batimentos cardíacos;
  • Aumento da temperatura corporal;
  • Perda do apetite;
  • Respiração mais acelerada;
  • Euforia muito intensa e excitação;
  • Dilatação das pupilas;
  • Perda do sono;
  • Náusea;
  • Comportamentos erráticos, bizarros e, em alguns casos, violentos;
  • Irritabilidade;
  • Alucinações táteis;
  • Paranoia e ansiedade;
  • Crises de pânico;
  • Fissura por mais droga;
  • Queimaduras nas mãos e na boca.

Se o consumo for realizado em doses muito grandes ou diversas vezes na sequência, o viciado pode ter ataques epiléticos, vômitos, convulsões e inclusive sofrer de morte súbita.

2. Efeitos no longo prazo

Por muito tempo, acreditou-se que quem fumava pedra não conseguia se manter vivo por muito tempo. No entanto, há muitos usuários que mantêm o vício e, mesmo com danos severos à saúde e prejuízos a sua vida social e familiar, sobrevivem.

O grande problema é que, se não receberem o atendimento adequado para a desintoxicação e recuperação, essas pessoas podem acabar nas ruas. E, mesmo aquelas que costumavam ter uma boa conduta, podem cometer pequenos delitos recorrentes para alimentar o seu vício.

Dentre as consequências do uso do crack por um tempo muito grande, estão:

  • Danos nos pulmões, nos rins e no fígado;
  • Insuficiência respiratória;
  • Problemas cardiovasculares;
  • Dores severas;
  • Doenças infecciosas;
  • Problemas na dentição, como cáries e gengivites;
  • Alucinações e delírios, mesmo quando não se está sob efeito da substância;
  • Perda de peso e má nutrição;
  • Disfunção sexual e infertilidade;
  • Transtornos de humor;
  • Depressão profunda e exaustão;
  • Perda da capacidade cognitiva;
  • Derrames cerebrais.

Esses são somente alguns dos exemplos. Quanto antes o vício for tratado, melhores as chances de reabilitação e reinserção do dependente na sociedade para que ele tenha uma vida mais feliz e produtiva.

Procure por ajuda o quanto antes. Contar com profissionais capacitados para ajudar você no processo de recuperação é a melhor escolha!

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.