JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
Parque das Nações, Chácara 73 Rua 11 – Padre Lúcio, Águas Lindas/GO

Reflexão sobre a Parábola do Filho Pródigo

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 99870-8865 / (61) 99905-8865
657

Você conhece a parábola do filho pródigo? Ela está presente na Bíblia em Lucas 15,11-32 e é uma verdadeira obra prima de arrependimento e misericórdia. Acompanhe abaixo o resumo da Parábola e algumas reflexões.

A PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO – UMA LIÇÃO DE ARREPENDIMENTO

A Parábola do filho pródigo conta a história de um pai que possuía dois filhos. Em certa altura da vida, o filho mais novo do homem pede ao pai a sua parte na herança e parte para terras distantes gastando tudo o que tem em pecados e perdições, sem pensar no dia de amanhã.

Quando a sua herança acaba, o filho mais novo se vê sem nada e começa a passar necessidades, viver como um mendigo. A parábola até menciona uma parte em que a fome do homem era tamanha que ele tenciona compartilhar com os porcos a lavagem que eles comiam. Em desespero, o filho volta à casa do pai, arrependido.

Seu pai o recebe com muita festa, feliz pelo filho estar de volta, fazendo um banquete para ele. Mas seu irmão mais velho, rejeita-o. Não considera justo que o pai o receba com festas depois do que ele fez, uma vez que ele, o mais velho, sempre foi leal e fiel ao pai e nunca recebeu do pai uma festa como aquela.

REFLEXÃO SOBRE A PARÁBOLA

Segundo o dicionário:

Pródigo

  • Aquele que esbanja, gasta mais do que possui ou necessita.
  • Esbanjador, gastador ou perdulário.

Por isso, o filho mais novo é o filho pródigo do homem nesta parábola.

REFLEXÃO 1: DEUS NOS PERMITE CAIR NO NOSSO PRÓPRIO ORGULHO

O pai da parábola concede ao filho mais novo a posse de sua herança, mesmo que ele não estivesse próximo da morte. O pai poderia proteger o filho mais novo negando o dinheiro, pois sair gastando a herança era visivelmente um ato irresponsável. Mas ele concedeu, permitiu que ele fizesse aquilo com orgulho e imprudência pois tinha os seus planos, sabia que aquilo seria necessário para que seu filho se redimisse dos seus atos. Se ele negasse o dinheiro, o filho ficaria revoltado e nunca se redimiria.

Cintra IT - Tudo para sua empresa ou negócio viver bem na web.
REFLEXÃO 2: DEUS TEM PACIÊNCIA COM OS ERROS DOS SEUS FILHOS

Assim como o pai entendeu a imprudência do filho e teve paciência com os seus erros, também Deus tem infinita paciência conosco, seus filhos pecadores. O pai da parábola não estava preocupado com o gasto da herança que ele havia juntado com tanto esforço, ele precisava que seu filho passasse por essa lição para que crescesse como um homem. Ele teve a paciência de esperar que seu filho passasse por isso e se arrependesse dos seus atos. A paciência de Deus tem por objetivo dar-nos tempo para percebermos nossos erros e nos arrependermos.

REFLEXÃO 3: DEUS NOS ACOLHE QUANDO NOS ARREPENDEMOS VERDADEIRAMENTE

Quando nós nos arrependemos verdadeiramente das nossas falhas, Deus nos acolhe de braços abertos. E foi exatamente isso que o pai da parábola fez, acolheu seu filho arrependido. Ao invés de repreendê-lo pelo seu erro, faz-lhe uma festa com um banquete. Ao irmão mais velho que estava bravo com a decisão do pai, ele diz: “Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. ” (Lucas 15.32)

REFLEXÃO 4: MUITAS VEZES AGIMOS COMO O FILHO MAIS VELHO, DANDO IMPORTÂNCIA AO QUE NÃO É IMPORTANTE.

Quando o filho chega em casa e o pai o recebe com festas, o irmão mais velho acha-se logo um injustiçado, pois ele sempre teve zelo pelos bens materiais do pai, nunca gastou a sua herança, e o pai nunca havia lhe feito tamanha festa. Ele se achava superior por não ter desperdiçado os bens da herança.

Não conseguia enxergar a conversão do irmão, não via que o sofrimento que ele passou o fez ver os seus erros. “Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado.” (Lucas 15.29-30). Neste caso, para o pai, o dinheiro era o menos importante, o importante era ter o seu filho de volta, convertido e arrependido.

REFLEXÃO 5 – DEUS AMA IGUALMENTE OS SEUS FILHOS QUE O SERVEM, COMO AQUELES QUE AGEM CONTRÁRIOS À SUA VONTADE.

É comum as pessoas acharem que somente quem reza todos os dias, vai à religião aos domingos e segue os mandamentos de Deus é amado por Ele. Isso não é verdade, e essa parábola mostra a grandeza do amor divino. O pai da parábola diz ao filho mais velho: “Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu.” (Lucas 15.31).

Isso mostra que o pai era profundamente grato ao filho mais velho, que o seu amor por ele era enorme e o que ele fazia pelo filho mais novo não mudava em nada o que ele sentia pelo mais velho. Se tudo que era dele, pertencia ao filho mais velho, o mais novo deveria conquistar os bens que perdeu em sua vida como pródigo.

Mas jamais o pai negaria o acolhimento e o amor ao mais novo. Assim que ele apareceu em casa: “E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou.” (Lucas 15.20).

Fonte: Uniad

Cintra IT - Seu site profissional responsivo! Ligue (61) 98416-7091

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.